México vende 10 dos 15 blocos de petróleo ofertados em leilão

Por Valor, com agências internacionais

SÃO PAULO  -  O governo mexicano lançou nesta segunda-feira sua segunda rodada de leilões de petróleo, oferecendo 15 campos em águas rasas no Golfo do México, com investimentos estimados em mais de US$ 11,25 bilhões. Dez blocos foram arrematados, e cinco não receberam propostas de interessados.

O segundo bloco foi vencido por consórcio formado pela alemã DEA Deutsche Erdoel e a mexicana Pemex, que ofereceram ao governo fatia de 57,92% do lucro operacional do prospecto. Os blocos 1, 3, 4, 5 e 13 não tiveram interessados.

O bloco 6 foi arrematado por consórcio entre a PC Carigali Mexico Operations e a Ecopetrol Global Energy, com participação de 65,19% para o Estado. A italiana Eni, a britânica Capricorn Energy e a mexicana Citla Energy levaram o bloco 7, com participação ao governo de 75%.

O bloco 8 ficou com a Pemex e a colombiana Ecopetrol, com fatia para o Estado de 20,1%. A Capricorn Energy e a Citla Energy arremataram o bloco 9, ao oferecerem 75% de participação ao governo.

O décimo bloco foi arrematado pela Eni e o 11, pela espanhola Repsol e a mexicana Sierra Perote, oferecendo fatias ao governo de 75% e 62,28%, respectivamente. O bloco 12 ficou com a russa Lukoil e o 14, com Eni e Citla. Por fim, o bloco 15 foi vencido por consórcio entre a francesa Total e a holandesa Shell.

A primeira rodada de leilões após a mudança do setor de petróleo do México em 2013 foi concluída em dezembro do ano passado, com a concessão de oito de um total de dez blocos em águas profundas no Golfo do México.